Free Web Hosting Provider - Web Hosting - E-commerce - High Speed Internet - Free Web Page
Search the Web

Aquisição de Linguagem na Criança

 

Christiane Araújo Angelotti
Fonoaudióloga

A linguagem é um dos aspéctos fundamentais para a comunicação humana e tanto a sua aquisição como o seu desenvolvimento dependem de vários fatores, entre eles: o biológico, o afetivo e o social.
Entre os aspectos biológicos, podemos destacar o processo de maturação do sistema nervoso central , este responsável pelo desenvolvimento global do indivíduo e o sentido da audição.
A audição é função fundamental para o desenvolvimento da linguagem oral.
Inicialmente, a criança passa por uma etapa do desenvolvimento, chamada de etapa motora, a qual precede o desenvolvimento da linguagem falada. Com o desenvolvimento desta etapa surgem os primeiros sons ( o balbucio ).
Durante o início do processo de aquisição da linguagem, o organismo humano encontra-se neurológicamente imaturo, ao sofrer estimulação do meio ambiente passa a desenvolver as funções ligadas ao desenvolvimento da linguagem.
As vias sensoriais mais desenvolvidas inicialmente, são as vias próprioceptivas, razão pela qual, os sons realizados inicialmente pelos bebês são reflexos. Com a contribuição da função auditiva, a criança passa a ter a possibilidade de exercitar o sistema fonológico.
Na primeira etapa da comunicação humana, a etapa pré-verbal, as manifestações lingüisticas não possuem uma intenção comunicativa, serão então atribuídas de significado dentro da relação adulto e bebê. Estas pois, consistem em expressões faciais, corporais, sons etc, que passam a constituir significado para o adulto.
Tal etapa, ocorre independente da função auditiva, e com a maturação do Sistema Nervoso Central irá adaptando-se à reprodução do som percebido.

Desenvolvimento da Função Auditiva

Ao nascer a criança só reage a estímulos sonoros de forte intensidade, e as suas respostas à detecção do estimulo são respostas reflexas ( apresenta um comportamento auditivo ), que , com a maturação neurológica irá tornar-se a audição funcional do indivíduo .
Por volta dos 2 meses, com o início do controle de cabeça e da coordenação com o movimento ocular, a criança passa a manter atenção ao som.
Dos 4 aos 7 meses, a criança passa a virar a cabeça no plano lateral, para assim localizar a fonte sonora.
Dos 7 aos 9 meses, a criança começa a localizar a fonte sonora no plano lateral e indiretamente num plano abaixo.
Dos 9 aos 13 meses, a criança consegue localizar a fonte sonora diretamente no plano lateral, diretamente para baixo e indiretamente para cima.
A partir dos 16 meses, a criança consegue localizar a fonte diretamente no plano lateral, para cima e para baixo.
O desenvolvimento de tais etapas, ocorre gradualmente, cada vez necessitando de um estímulo sonoro de menor intensidade para ser percebido.
Como foi dito anteriormente, chama-se etapa pré-verbal, a etapa na qual os bebês atravessam durante os 10 primeiros meses de vida, e é caracterizada por uma atividade sonora predominantemente lúdica, que inicialmente independe da percepção auditiva, e com o desenvolvimento global da criança irá adaptando-se progressivamente à reprodução do som percebido.
A fase do balbucio ( atividade sonora), se inicia por volta dos 3 meses de idade e se caracteriza por ser de uma natureza essencialmente lúdica.
Inicialmente o balbucio corresponde à sons de vogais.
As crianças deficientes auditivas também passam pela fase do balbucio, que se diferencia mais com relação à criança ouvinte por volta do segundo semestre de vida.
Por volta dos 10 meses a criança passa por um período de maior desenvolvimento da linguagem, uma etapa chamada de etapa verbal, na qual ocorre uma maior aprendizagem fonológica. Nessa fase, a imitação por parte da criança torna-se maior.
A criança deficiente auditiva será incapaz, ou apresentará maior dificuldade para iniciar jogos sonoros que constituem a primeira grande etapa para atingir a comunicação oral.
O bebê que nasce com uma grave perda auditiva pode demonstrar que não percebe os sons desde recém-nascido, isso pode ser detectado pela ausência de respostas reflexas para estímulos sonoros.
A investigação do comportamento auditivo da criança, é fundamental para a constatação precoce de algum tipo de alteração auditiva. Quanto mais precoce for a constatação de uma deficiência auditiva, maiores serão as chances de reabilitação da criança.
Muitas vezes o diagnóstico da deficiência auditiva é retardado, devido as pessoas que convivem com a criança interpretarem o seu balbucio como fala, sem suspeitar de alteração auditiva, mesmo existindo uma alteração no comportamento auditivo da mesma( resposta aos sons).
A criança deficiente auditiva se depara com um problema diferente do adulto deficiente auditivo, a possibilidade de desenvolver linguagem.
O desenvolvimento físico e mental das crianças com deficiência auditiva segue a mesma evolução das crianças ouvintes. A diferenciação ocorre com relação à estruturação e evolução da linguagem, contribuindo para que a criança deficiente auditiva possa vir a ter déficit no desenvolvimento social e intelectual.

Bibliografia:

-Russo, I.; Santos, T.- Audiologia Infantil. São Paulo, Cortez- 4ª ed. rev. e amp-1994
-Launay, C.; Maisonny,S. - Distúrbios da linguagem, da fala e voz na infância. São Paulo, Rocca, 1989.

 

Reprodução parcial ou integral do texto permitida com a devida citação da fonte.
Christiane Araújo Angelotti - E-mail: chris_@nutecnet.com.br



Próximo Artigo | Índice de Artigos | Homepage